"Sou eu que começo ou é você que começa? [...] Sou eu que começo! [...] E eu começo como? Eu vou falando por ordem cronológica ou o que me vier na cabeça?"
(Mercedes, personagem de Lília Cabral - Divã, 2009)

O blog mudou no formato. Os textos mais recentes estão abaixo e podem ser lidos na íntegra clicando em Read more... no final de cada postagem.

O restante das postagens estão disponíveis nos links a esquerda. Utilize a ferramenta de busca ou as tags.

Fique a vontade. E volte sempre!

Cap. I

sábado, 11 de julho de 2009

- É o momento da sua decisão, Lia.

Ela o olhava fixamente e entendia o que ele dizia. Ela já não fazia mais aquela cara de quem não sabia do que se tratava. Ela pensava. Olhava fixamente para ele, entendia, sem caras e pensava. Sabia que precisava tomar uma decisão.



Bom, comecemos do princípio. Quando conheci Lia ela era apenas uma criança. Tinha uns 8 anos. Não, ela tinha 7. Sete e pouco. Lembro do seu aniversário de oito anos. O primeiro aniversário de tantos que parabenizei Lia. Uma semana antes de fazer oito anos, Lia e eu já éramos um pouco próximas. Não por Lia, desde aquela época ela já tinha essa coisa de não se aproximar. Eu é quem já me sentia próxima, sem saber que a proximidade verdadeira se daria depois de um bom tempo. Entenda: depois de um bom e longo tempo.


Retomando... quando conheci Lia ela tinha sete anos e poucos meses. Eu tinha cinco. Cinco anos recém comemorados. Quando fiz cinco anos não ganhei tantos presentes. Não se davam tantos presentes como hoje. Quando fiz cinco anos ganhei um caderno. Um caderno de capa vermelha cor de sangue. Ele tinha as primeiras páginas usadas. Números. Passei um longo período acreditando que aqueles números não tinham significado, passei um longo período acreditando que era apenas alguma marcação errada que fizera o belo caderno vermelho ser descartado e transformado em presente para mim. Mais tarde, dez anos mais tarde, eu saberia o que significavam.


Tudo tem algum significado. Aprendi isso com o tempo. Existem muitas coisas importantes na vida, e duas delas são os significados e o tempo.


Então eu conheci Lia. Papai, mamãe, eu e o bebê paramos em frente a uma porta bem grande de madeira. Não sei nomes de madeira, mas sei que ela cheirava a madeira nova. Papai chamou por Shelmon. Achei aquele nome engraçado: Shelmon. Papai continuava a chamar. Então um barulho. Chinelos talvez, eu nunca soube. Tio Shelmon era tão alto e tão sorridente que não me lembrei de olhar para seus pés. Isso, tio Shelmon é o pai de Lia. E do Pedro também. Tio Shelmon abriu a porta sorrindo, abraçou papai e mamãe, mexeu com minhas bochechas, fez barulhos engraçados para o bebê e nos convidou para entrar. A casa do tio Shelmon e tia Judith tinha cheiro de biscoitos. Judith era esposa do tio Shelmon e era mãe da Lia e do Pedro. Ela não gostava que ninguém a chamasse de tia, mas não era rude. Dizia isso com graça, principalmente para as crianças. "Titia não, anjo doce. Isso me dá mais idade do que tenho" e nos lançava a mão algum doce. Isso é outra coisa que só entendi mais tarde: como Judith sempre tinha doces a mão?


A sala da casa do tio Shelmon era grande mas não se impressione, tudo é relativamente grande para uma criança de cinco anos. E Lia estava lá. Sentada bem no centro, sob um tapete indiano, brincando com a sua boneca. E ela tinha uma fita no cabelo. Lembro-me disso porque eu tinha uma fita igual. Acho que mamãe e Judith já tinham feito compras juntas antes que eu conhecesse Lia. Papai sentou-se a mesa com mamãe, tio Shelmon e Judith, que tinha pegado o bebê no colo assim que me deu um pirulito, por não tê-la chamado de tia. A princípio eu não a tinha chamado. Nem de tia, nem de nada, mas mesmo assim ela me alertou. Acho que não entendi muito bem naquele dia. Isso não é coisa que se entende assim, rápido, quando se tem cinco anos. Ganhei o pirulito: lucro!


Lia nem olhou para mim. Quero dizer, ela olhou com o cantinho do olho e eu retribui com um sorriso. Ela não respondeu, continuou brincando com sua boneca. Não liguei, fui lá sentar ao lado dela. Já disse, Lia não era de se aproximar, enquanto eu...Bom, sobre mim, vocês saberão bastante.


Sentei ao lado dela, sorri. Ela fez cara que não entendeu onde eu queria chegar. Lia era assim, fazia caras, falava pouco. Judith gritou da mesa para Lia. "Brinca com ela Lia, mostra sua boneca". O bebê acordou. Chorava. Urrava.

Incomodava, mas eu já estava acostumada. Lia não. Ela é a mais nova. Em casa, quem chorava e urrava era o Julinho, o bebê - Júlio, na verdade - Na casa do tio Shelmon quem chorava era Lia.


E enquanto ela olhava para o Julinho agarrei a boneca do colo de Lia. Então chorava Julinho e ela. Segurei forte a boneca, não soltava. Ela puxava pelas pernas e eu mantinha a firmeza de meus bracinhos de cinco anos na cabeça. Ela chorava. Julinho chorava. Judith pedia para Lia parar. Mamãe já estava com Julinho no colo. Eu segurava firme a cabeça. Certo: corpo para um lado, cabeça nas minhas mãos. Foi assim que conheci Lia. Ela me destestou.


Mais uma divisão: eu em um canto do sofá, Lia noutro.

15 pessoas quiseram falar também!:

Gabi Magnani 12 julho, 2009  

Gostei bastante, me prendi até o final. E nesse final, eu sei bem como choro de bebê: insuportável. E com uma coisa eu não concordo com você: acho impossível se acostumar com isso, huahuahuah. E gostei também da parte do caderno, bem descritiva. Adorei mesmo Mari, posta mais.

' .Lúh* 12 julho, 2009  

eu gostei MUITO do começo dessa nova história e já não vejo a hora de ler a continuação!
e a parte do caderno me intrigou... quero descobrir o que são os números!

vc sempre me surpreende mari, sério!
suas histórias são MARA!

saudades de vc! :/
beeeeijão!

Marco Antonio 12 julho, 2009  

Acho que esta promete. Vejo mais uma reviravolta, com essas lições que a vida nos dá.

Thiago Ya'agob 14 julho, 2009  

"passei um longo período acreditando que era apenas alguma marcação errada que fizera o belo caderno vermelho ser descartado e transformado em presente para mim..."

Isso mexeu aqui dentro de mim.

Complicado essa sensação de 'desprezo'.

...

Besos.
Shalom.

Su 15 julho, 2009  

Maari!!!
Que texto envolvente, eu AMEI!!!
Parabéns lindona!! :)
Beijos

PALAVRAS AO VENTO 16 julho, 2009  

Deixo aqui o link de um blog voltado para a saúde mental, gostaria do seu apoio em divulgá-lo pois lá será um local de informação, debates, artigos, etc.

Conto com sua colaboração. http://transtornobipolar2009.blogspot.com/

Porque a saúde mental, merece atenção!

Abraços

Silvana Pedrini

Neo 17 julho, 2009  

Olha que legal,

Voltando aqui depois de um tempo e encontrando um texto tão espetacular.
Claro que vou ficar ligado na sequência desta história. Até já coloquei o blog nos meus Feeds (isso é uma mão na roda...rs).

Muito, muito bom

Beijos

Neo
Todos os Sentidos
twitter.com/todosossentidos

Narradora 19 julho, 2009  

Gsotei muito do primeiro capítulo, não vejo a hora do próximo...
Beijos

Luifel 20 julho, 2009  

A mari e as histórias com algum traço psicológico nas personas envolvidas...

esperando o resto...


Bj.

mari 22 julho, 2009  

Adorei.Sempre que puder voltarei.Ah propósito rambém estou querendo férias da minha terapeuta.
bjs,xára.

Bia 23 julho, 2009  

Oi flor!
Estou aqui para divulgar meu bazar, o Estilo Bazar, sou nova aqui nos blogs.
Dá uma passadinha lá para ajudar e dar uma olhadinha (vai que você se interessa por algo, né?).
ah, e ainda tenho muuuitas coisas para postar, então as atualizações serão bem frequentes ;)
se puder linkar, me avise para eu poder retribuir!
beijão e muito obrigada!
(se já te mandei esse comentário, por favor me desculpe)

http://estilo-bazar.blogspot.com/

Maria Fernanda 23 julho, 2009  

Amada,
amanhã pela manhã o texto que dará início ao post coletivo estará postado.

Tu postará logo depois da Dani e narrará aquilo que tu leu para que o Nasca possa dar continuidade à brincadeira. Ele irá contar o que leu no teu blog.

Espero a brincadeira saia certinho. Heheh

Beijão

nota: só peço para não demorarem nas atualizações para vermos o resultado da brincadeira rápido ;)

.a nega do neguinho. 23 julho, 2009  

Tsc Tsc..
qto tempooo muié!


=)

e olha, qdo volto aki, vejo uma nova história!
...



saudades viu!

Paula 23 julho, 2009  

Menina, que blog bacana!
Adoro ler essas histórias...quero ler a continuação do conto!
Bjos,
Paulinha

Dani 27 julho, 2009  

Marii, a brincadeira da Fernanda já ta lo meu blog, pra vc dar contuidade.

Bj0

Postar um comentário

Você também precisa falar? Comente...

Importante

Os textos postados neste blog são de minha autoria. Aqueles que não são, faço referência aos autores e/ou locais onde encontrei. Faça o mesmo e respeite: se copiar, credite.

Os comentários são abertos e o conteúdo dos mesmos não necessariamente expressa a opinião da autora.

Para parcerias e contatos profissionais utilize o formulário do 'Fale comigo'.

Fale comigo

Envie um e-mail diretamente para mim.


Seu nome:

E-Mail:

Mensagem:


Você é sempre bem vindo aqui! Volte sempre que quiser!

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP