"Sou eu que começo ou é você que começa? [...] Sou eu que começo! [...] E eu começo como? Eu vou falando por ordem cronológica ou o que me vier na cabeça?"
(Mercedes, personagem de Lília Cabral - Divã, 2009)

O blog mudou no formato. Os textos mais recentes estão abaixo e podem ser lidos na íntegra clicando em Read more... no final de cada postagem.

O restante das postagens estão disponíveis nos links a esquerda. Utilize a ferramenta de busca ou as tags.

Fique a vontade. E volte sempre!

Atire a primeira palavra...

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Não importa o que você faça ou deixe de fazer: as pessoas vão te julgar e pronto. Elas vão dizer o que elas pensam ou não vão dizer coisa alguma, mas certamente farão o seu julgamento. Todos nós fazemos isso. Uma das coisas mais difíceis de aprender na faculdade foi isso: suspender meus valores pessoais e tentar entender e compreender os valores do outro.

Fico irritada com essa mania de proferir linhas e mais linhas sobre a liberdade de expressão, de ir e vir, sobre o preconceito e sobre um mundo de coisas, quando no fundo, tudo acaba sendo uma mera reprodução de um texto manjado camuflando a existência uma dificuldade clara em olhar globalmente, em olhar para o mundo e para o outro além do seu próprio prisma.

Ok. Ninguém tem a obrigação de olhar além do seu próprio prisma mas, seria interessante se as pessoas começassem a pensar que viver é uma atuação coletiva e, por mais que se diga que nascemos só e viveremos só, o caminho é feito em conjunto.

Eu fico observando o quanto é fácil aceitar a modernidade e as novas formas e maneira de se viver quando isso não afeta o nosso mundinho conservador. Em casa, por exemplo, a minha avó acha legal e 'aceita' que as mulheres estudem, tenham seu dinheiro, seu trabalho, o sucesso profissional, independencia e coisa-e-tal, mas vive me perguntando quando eu vou arrumar um marido. Como se as duas coisas não pudessem acontecer simultaneamente...

Alguém notou que poucas pessoas ainda falam sobre o preconceito? Fico pensando se não foi uma boa maneira de fazer-de-conta que ele não existe, mesmo que todos saibam que ele está lá... Em um olhar mais malicioso, em uma distância 'segura', em piadinhas que circulam pelos nossos e-mails. E não me refiro somente aos preconceitos mais clichês, não. Estendo essa reflexão aos preconceitos mais sutis - com aquela pessoa que um dia foi vilã, com aquela que foi vítima, com os bonitos demais, com os bonzinhos, os certinhos, estudiosos...e por aí vai.

Tudo isso para falar que não vale muito encher a boca para dizer que aceita, entende e compreende as diferenças se, quando elas esbarram no seu mundinho conservador, tudo se esvazia em segundos.

24 pessoas quiseram falar também!:

Euzer Lopes 02 fevereiro, 2009  

Isso é a velha e idiota mania de as pessoas perderem um tempo que não têm (só não o usam direito) para ficar cuidando da vida dos outros.
Como se suas vidas fossem perfeitas o suficiente.
E não são. No fundo são pessoas vazias e com uma mediocridade que infelizmente acaba sendo gritante. E esse grito abafa as melhores das intenções, que normalmente são, por si só, silenciosas.
Como sobreviver a isto? Respirando fundo e praticando a indiferença.

Dama de Cinzas 02 fevereiro, 2009  

Belo texto! E sobre tudo que penso e luto: o fim do preconceito. Sabemos que ele não terá fim, mas podemos amenizá-lo em muitas questões sociais.

As pessoas não estão preocupadas mesmo em ver nada além do seu mundinho. Geralmente não se colocam no lugar do outro para entender um pouco de suas razões. Atiram pedras e mais pedras.

Por tudo isso é que eu sou do jeito que sou e procuro fechar meus ouvidos pra avalanche de opiniões contrárias ao meu jeito de ser. Não se agrada a todos mesmo e às vezes só agradamos a poucos... rs

Beijocas

Luilton 02 fevereiro, 2009  

Oi Mariana!

Tenho a leve impressão de que o comentário de sua vó foi o início do pensamento sobre este post.

Olha, julgar infelizmente é habitual e necessário. O ser humano deve julgar tudo mesmo, seja aquela pessoa diferente que se aproxima, julgar as opções diferentes das pessoas... o problema é não entender ou no mínimo respeitar suas opções e formas de viver.

Até quando falamos de alguém que só tem tempo para julgar, estamos perdendo nosso tempo para julgá-la também, compreende?

As pessoas podem fazer o que querem (infelizmente, eu acho), e não há necessidade de nos incomodarmos. Só nos resta mesmo respirar fundo, entender e, se não entender, respeitar e seguir em frente.

Um abraço.

Ciça. 02 fevereiro, 2009  

Preconceito é uma coisa que me irrita profundamente, não vejo a necessidade que as pessoas têm de rotular todo mundo, aquele ali é nerd, aquela ali é piranha... Me cansa a beleza....


:*

Su 02 fevereiro, 2009  

Infelizmente, eles existem. Muitos implícitos, mas existem. Ignora-los não é a melhor opção, encarar de frente tudo isso, que sabe?! Dá a cara a tapa e quebrar essas barreiras. Enquanto o tal preconceito estiver escondido em algum lugar por ai, um dia ou outro ele vai aparecer!!

BEijos, Flor!!
Boa semana pra ti

michelle Kalif Maia 02 fevereiro, 2009  

Me identifiquei tanto com esse texto... Certas partes parecem ter sido escritas por mim mesma. :) hehehehe =*

.daia. 02 fevereiro, 2009  

Infelizmente eu acho que preconceito, sempre vai existir =/

besos!

Marcia Paula 02 fevereiro, 2009  

Olá,

Soube do seu blog através do Lesbosfera. Muito bom.Abraços e boa sorte com esse seu novo blog.

Welker 02 fevereiro, 2009  

Preconceito sepre existirá, junto com a violência, AIDS e serviço de telemarketing... :/

Lecca 02 fevereiro, 2009  

Oi procurando por inagens, deparei-me com seu blog e não consegui parar de ler... É o preconceito é algo que o homem por mais que tente mudar não consegue... o que é uma pena ver pessoas tão pequenas, hiiii, rimou, digo aquelas que usam a barreira do preconceito.

Lecca 02 fevereiro, 2009  
Este comentário foi removido pelo autor.
Srtª Elis: 02 fevereiro, 2009  

post muito bom..aliais ja tinha vindo aqui outras vezes no seu blog e penseu que vc mesma era a terapeuta mais vc e professa né..? xeroo!

@line-;-- 02 fevereiro, 2009  

eu nem digo que são preconceitos que tenho sobre determinadas coisas, são convicções mesmo, e aos olhos de mtas pessoas posso ser a antiguada e preconceituosa, mas nem ligo, algumas "verdades minhas" bastam apenas pra mim.

bjm amada, boa semana

*Raíssa 02 fevereiro, 2009  

O preconceito sempre vai existir, porque mesmo que o mundo se modernize e evolua, a cabeça de muitas pessoas não vai evoulir. É como uma herança genética deixada por nossos antepassados para não nos esquecermos deles e de seus pensamentos e conceitos. Mas o fato é que todo mundo tem preconceito contra alguma coisa, alguém ou determinado grupo de pessoas.

Quando o assunto é preconceito, ninguém pode atirar a primeira pedra.

Beijos!

Ruberto Palazo 03 fevereiro, 2009  

Preconceito ou pré-conceito sempre existiu e sempre vai existir. Não importa o quanto queiramos mudá-lo, jamais conseguiremos. Ele se baseia na nossa visão viciada de nossas rotina, na falta de conehcimento do novo e na angustia de valores que valorizamos sem saber para que existem...

Devemos criticar essas pessoas ou tentar apresentar-lhes uma outra visão das coisas?

Beijos Prima

Grá,  03 fevereiro, 2009  

Preconceito... sei bem o que significa esta palavra, e sempre existirá, nós mesmos viemos educados a ter certos pré-conceitos, é a familia, é a escola, é a sociedade. O que vale é a consciencia de cada um.

matheus lemes 03 fevereiro, 2009  

Gostei muito de seu blog... vou passar aqui mais vezes e me tornar seu seguidor... também tenho um blog, mas é de poesias e sou professor também....passe por lá e de uma olhadinha..
Abraços...

03 fevereiro, 2009  

Só veio uma pergunta na minha cabeça: quem passou por ai e implodiu tudo isto dentro de voce?
****

Lara Goulart. 04 fevereiro, 2009  

"Deixe que digam, que pensem, que falem..."

;D

Quase Trinta 04 fevereiro, 2009  

Preconceito quem não tem???
Mesmo muitos não falando, fingindo que não existe o preconceito cresce e todos os tipos dele, de forma velada. E só sabe qt ele pode ser cruel quem o sofreu na pele, muitas vezes de forma silenciosa.

☆ Sandra C. 04 fevereiro, 2009  

ok, gostei da postagem, mas fiz uma pergunta na minha ultima postagem no meu blog, e não encontrei resposta ainda. a pergunta é: se não fomos feitos para viver sozinhos, se fomos feitos para viver em comunidade, porque será então que cada um traça seu caminho à sua liberdade.. se não há objetivos comuns?

Zé do Cão 05 fevereiro, 2009  

Drª. Finalmente, entrou no mercado do trabalho (julgo eu).
Oxalá que a crise global não afecte os sonhos desta jovem lutadora e que realize totalmente todas as suas ambições.
São os votos deste amigo...

Beijocas

Coisinhas da Jeh _ 05 fevereiro, 2009  

o mundo evolui e a mente das pessoas não :S
tbm gostei do seu cantinho, é maaaara :DD

Anna 05 fevereiro, 2009  

Concordo contigo, também acho que todo mundo acha tudo lindo, maravilhoso, interessante e pós pós moderno, mas tem isso, pimenta nos olhos dos outros é refresco, e é muito fácil defender um ponto de vista, difícil é encará-lo, por mais que isso soe como frase feita.
Beijos

Postar um comentário

Você também precisa falar? Comente...

Importante

Os textos postados neste blog são de minha autoria. Aqueles que não são, faço referência aos autores e/ou locais onde encontrei. Faça o mesmo e respeite: se copiar, credite.

Os comentários são abertos e o conteúdo dos mesmos não necessariamente expressa a opinião da autora.

Para parcerias e contatos profissionais utilize o formulário do 'Fale comigo'.

Fale comigo

Envie um e-mail diretamente para mim.


Seu nome:

E-Mail:

Mensagem:


Você é sempre bem vindo aqui! Volte sempre que quiser!

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP