"Sou eu que começo ou é você que começa? [...] Sou eu que começo! [...] E eu começo como? Eu vou falando por ordem cronológica ou o que me vier na cabeça?"
(Mercedes, personagem de Lília Cabral - Divã, 2009)

O blog mudou no formato. Os textos mais recentes estão abaixo e podem ser lidos na íntegra clicando em Read more... no final de cada postagem.

O restante das postagens estão disponíveis nos links a esquerda. Utilize a ferramenta de busca ou as tags.

Fique a vontade. E volte sempre!

Encontrando Tempo [Parte II- Final]

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

[Texto escrito por mim e pela . Leia mais sobre Victória aqui e leia mais sobre Thereza aqui]


Se você perdeu a Parte I, leia no post abaixo!


Victória estava cansada, seus braços doíam, seu corpo pedia terra firme para poder descansar. E quanto mais se aproximava da margem, mais fraca ia ficando, porém ao mesmo tempo sabia que tinha forças o suficiente para poder conhecer quem a esperava do outro lado.

Neste momento soube exatamente como se sentiam aqueles pescadores que tanto observava na praia. A alegria de encontrar alguém em terra firme depois de tanto tempo navegando. Adivinhem? Ele estava lá novamente, inundando os pensamentos delas: o tempo.
O tempo que tanto perturbava os seus pensamentos agora estava aproximando-a de uma pessoa que nunca tinha visto ou encontrado. E foi nesse tempo que ela adquiriu forças para continuar remando. Faltava pouco para chegar às margens, e a cada minuto que passava remava com mais força ainda. Faltava pouco tempo... pouco tempo. E quanto mais próxima das margens, mais Victória gostava da imagem que via. Percebeu que o tempo aproxima as pessoas e o tempo estava lhe aproximando de alguém. Talvez esse alguém tivesse as respostas para suas perguntas.

Pensava isso porque ainda não conhecia Thereza. Thereza era uma mulher cheia de certezas incertas. Fica difícil pensar em alguém tão cheia de perguntas quanto Thereza era. A canoa se aproximava e Thereza já havia elaborado umas quinhentas perguntas. “Quem era aquela? De onde viera? Porque viera? Quanto tempo demorava? Porque justo ali?”.

Victória chegou a margem. Elas se olharam. Cumprimentaram-se com um sorriso e ficaram olhando uma para outra. Nada romântico. Tudo intrigante.

Thereza levantou-se e estendeu a mão para aquela que os braços estavam trêmulos de tanto esforço.

- Oi...
- Oi. Tudo bem?
- Uhum...[pensativa] Você é...?
- Victória!
- Thereza...
- Atravessei o mar...
- Estou aqui desde cedo.
- Precisava de um tempo...
- Eu só penso no tempo.
- Você parece cansada.
- [risos] Você é quem parece!!
- [risos] Estou sim. Porque pensava no tempo?
- Eu penso em tudo, o tempo todo!
- Tempo, tempo, tempo... essa palavra é que me precupa e me intriga tanto. Não respostas para as minhas inquietudes. Nunca vejo respostas óbvias, apenas teorias... O que é tempo? Por que existe o tempo? Quanto tempo? Preciso de um tempo... Às vezes essas expressões não fazem sentindo.

Elas caíram na risada. Sentiram-se íntimas. Como amigas de longa data. Thereza adorava palavras intimistas. Victória queria férias. Ficaram ali por horas pensando. Hora quietas, hora falantes. Sim, expressões e (des)encontros as vezes não fazem sentido!

9 pessoas quiseram falar também!:

Su 29 agosto, 2008  

Mari,
o texo ficou lindo, hein??
Parabéns... foi preciso TEMPO para podermos reunir as palavras que ficaram lindas!!
Beijooooooooooos

Nathália 29 agosto, 2008  

E essas duas juntas ainda vão render textos ótimos.
Sorte nossa!

:D

Filipe Garcia 29 agosto, 2008  

Engraçado como, lendo seu texto, me lembrei de Guimarães Rosa que tanto fala de travessia e mescla essa idéia de tempo com água.

Muito bom. O texto teve um quê de filosofia que me remeteu também aos escritos de Jostein Gaarder.

Beijo.

Igor Lessa 30 agosto, 2008  

Muito gostoso o encontro das duas. Quero muito ver no que isso tudo vai dar. Venho conferir as próximas partes!!!



Beijo Mari!





Olhando Pra Grama - Crônicas de um ansioso

*Raíssa 30 agosto, 2008  

Às vezes sentimos afinidade com quem não conhecemos mesmo. É estranho, mas é legal.

Essas duas juntas ainda vão render muito boas histórias!

Beijos!

Marco Antonio 31 agosto, 2008  

E o engraçado... enquanto lia, ouvia "Embolada do tempo", Alceu Valença... coincidência... ou não!

Flavia Melissa 01 setembro, 2008  

encontros, encontros...
centenas deles todos os dias, papos que alfinetam entre as costelas e que fazem a alma brilhar mais.

saudades, maricota.

Su 01 setembro, 2008  

mari, deixei uns presentinhos pra vc lá no meu porto... foi no dia 31/08, depois tu pega lá, tá??
Beijooos, saudadees... volta logo!!

Su 01 setembro, 2008  

Eita Mari, foi mto legal esse texto hein?!!
Adorei os comentários aqui, e como disse a raíssa, quem sabe não tem mais histórias por aii... rrsrs
Beijooos

Postar um comentário

Você também precisa falar? Comente...

Importante

Os textos postados neste blog são de minha autoria. Aqueles que não são, faço referência aos autores e/ou locais onde encontrei. Faça o mesmo e respeite: se copiar, credite.

Os comentários são abertos e o conteúdo dos mesmos não necessariamente expressa a opinião da autora.

Para parcerias e contatos profissionais utilize o formulário do 'Fale comigo'.

Fale comigo

Envie um e-mail diretamente para mim.


Seu nome:

E-Mail:

Mensagem:


Você é sempre bem vindo aqui! Volte sempre que quiser!

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP