"Sou eu que começo ou é você que começa? [...] Sou eu que começo! [...] E eu começo como? Eu vou falando por ordem cronológica ou o que me vier na cabeça?"
(Mercedes, personagem de Lília Cabral - Divã, 2009)

O blog mudou no formato. Os textos mais recentes estão abaixo e podem ser lidos na íntegra clicando em Read more... no final de cada postagem.

O restante das postagens estão disponíveis nos links a esquerda. Utilize a ferramenta de busca ou as tags.

Fique a vontade. E volte sempre!

Encontrando Tempo [Parte I]

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

[Texto escrito por mim e pela . Leia mais sobre Victória aqui e leia mais sobre Thereza aqui]

Victória estava com os pés na água do mar, balançando e observando o movimento das águas. E longe dali, longe do mar, Thereza andava em círculos pela grama.

Talvez estivessem esperando o tempo passar, ou talvez estivessem descarregando as energias. Nem se sabe ao certo se as energias se descarregam dessa forma, mas elas adoravam escutar essas coisas 'zen' e prová-las sempre que possível...

Eram duas mulheres que gostavam de pensar.

Uma coisa é certa: mulheres têm medos tão secretos que elas sequer conseguem concretizá-los em pensamento.

Victória pensava “Por que as pessoas perdem e pedem tanto tempo?”. Thereza pensava “Quanto tempo eu preciso dar para o tempo resolver o que precisa ser resolvido?.”
Seria o tempo justo para essas mulheres que tem medos secretos?

O tempo é um remédio e um veneno, pensava Thereza, que de tonta optou sentar-se na sombra de sua árvore predileta.

Victória, cansada de ficar sentada pensando esperando o tempo passar, pega a sua canoa e começa a remar sem direção. Passa por vários lugares e quando parou, se deu conta de que estava em águas doces.

Thereza estava tonta demais com tudo. Com as voltas, os pensamentos e o próprio tempo. Fixava seu olhar no horizonte que parecia olhar para lugar nenhum. E ao longe, dentro da canoa, Victória avistava alguém sentada olhando nada, às margens de um lago.
Thereza nem sequer percebeu que ao longe um barquinho vinha. Victória continuou a remar até a margem. A sua curiosidade era grande, queria saber por que fora parar ali, nem viu o tempo passar, nem vira como chegou naquele lugar tão diferente de sua praia, do seu mar...

Será que para tudo tem um tempo mesmo? Será que o tempo une pensamentos? As vezes falamos assim: “dê tempo ao tempo”... Mas quanto tempo é preciso esperar para o tempo certo? Thereza pensava.Victória queria descobrir! Elas queriam entender outros mundos, outras situações, outros lugares...

Victória fora remando em busca de amizade e novos horizontes. Thereza continuava olhando para o nada pensando em tudo.

A canoa se aproximava e como quem acorda de uma parada cardíaca, Thereza fixou seu olhar no objeto que bailava no rio. Esfregou os olhos tantas vezes quanto foi necessário. Era difícil de acreditar que uma canoa tão simples chegava até ali. Não era comum se ver canoas pelo rio. E canoas como aquela? Nunca fora visto uma única peça... Era intrigante. Era fascinante.

Thereza deixou seu egoísmo impregnado de lado e passou a pensar naquela canoa, naquela pessoa... Quanto tempo ela já estava remando? Não importava quantos epochés ela fazia. Estava difícil demais suspender seus conceitos. Ela estava contaminada com essa história de tempo.


Continua...

10 pessoas quiseram falar também!:

Anônimo,  27 agosto, 2008  

O tempo é algo que temos que aprender a lidar, pois não o trato tão injusto assim como muita gente, nós precisamos tentar nos educar para que ele nos ajude, nesa vida louca que levamos se não soubermos aproveitar o pouco tempo livre que nos sobra para fazer algo que nos dê prazer, seremos rabugentos, chatos, e viveremos a vida nos queixando, se você só vê o mar da janela do ônibus porque não tem tempo para parar e ver, aproveite aqueles segundos para refletir sua vida.

muito boa sua postagem, aliás seu blog é muito bom, ótimas postagens.

RUBENS CORREIA
www.blogdorubinho.cjb.net

Narradora 27 agosto, 2008  

Ficou bem legal o texto, nada "quebrado" o que é difícil qdo se escreve em dupla.
Concordo com o moço de cima, instigante.
Bjs

Filipe Garcia 27 agosto, 2008  

Olá Mariana,

O medo guardado dentro da gente nos impede de viver as aventuras, por mais pequenas e simples que sejam. O medo nos aprisiona ao tempo, ao comodismo, ao pessimismo. Bom é ser como Thereza que não hesitou em ir além. É certo que temos nosso lado Thereza e nosso lado Victória que entram em conflito o tempo todo.
Engraçado que, lendo o texto, nem me ative ao tempo. O que me tocou foi a forma como o medo nos impede e obstaculiza sonhos.

Um beijo.

*Raíssa 27 agosto, 2008  

Interessante o texto. Faz pensar.

Beijos!

MAhkau 27 agosto, 2008  

Mew que loko!!!
Eh.....
Tive uma idéia!

instantes e momentos 28 agosto, 2008  

lindo o post e o blog. Muito bom.
e sobre a foto, com um sol e um mar desses, quem vai prcesar de divâ.
Tenha um belo dia
Mauriziio

Ultra Violet 28 agosto, 2008  

Se pensar muito no tempo ele nunca passa. às vezes é bom deixar a correnteza levar, por outras, nadar contra é um exercício de superação.

Bjs.

Zé do Cão 28 agosto, 2008  

Mas Mariana, escreve sempre coisas bonitas. E só faltam 4 meses para o fim de ano. Bem entendes....

Tenho novo conto.

Beijocas

Marcelo Martins 28 agosto, 2008  

Bem legal a narrativa.
Um ensaio sobre o tempo e a demora de se alcançar algo que muito se quer.
Nossa vida não passa disso, creio eu.
Esperar e esperar...

Beijinhos

Postar um comentário

Você também precisa falar? Comente...

Importante

Os textos postados neste blog são de minha autoria. Aqueles que não são, faço referência aos autores e/ou locais onde encontrei. Faça o mesmo e respeite: se copiar, credite.

Os comentários são abertos e o conteúdo dos mesmos não necessariamente expressa a opinião da autora.

Para parcerias e contatos profissionais utilize o formulário do 'Fale comigo'.

Fale comigo

Envie um e-mail diretamente para mim.


Seu nome:

E-Mail:

Mensagem:


Você é sempre bem vindo aqui! Volte sempre que quiser!

  © Blogger template The Professional Template II by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP